L'Illusionniste (2010)


Depois de ter visto o Les Triplettes de Belleville, e de literalmente me ter apaixonado pelo filme, fiz questão de ver o mais rapidamente possível outro trabalho do Senhor Sylvain Chomet. Como o Senhor possui ainda uma filmografia bastante simbólica, não tive muito por onde escolher, e o coelho que me saiu da cartola foi o L'Illusionniste. As expectativas estavam altas, lá mesmo ao de cimo. Li a sinopse e gostei do que li. E fui ver o filme, e pensei que ia gostar mais. O filme é muito bom, mas senti que a animação das personagens foi fraca em expressões. Os filmes de Sylvain Chomet abusam da falta de diálogos, e é a imagem, as expressões e a estética do espaço e das personagens que nos fazem entender o filme. Por isso mesmo, senti que podiam estar melhores e mais decifráveis. Mas isso não é mau, é da maneira que temos mesmo que estar com muita atenção ao filme. O argumento é de mestre, os desenhos são precisamente o tipo de desenhos que eu mais gosto. É no fim do filme que as peças que não encaixavam no puzzle, encaixam, o que tornou a longa bem mais desafogante.

E eu estou aqui à espera de mais e mais e mais, amigo Sylvain.



1 comentário:

  1. Boas, gostava de te convidar para uma iniciativa, por enquanto em segredo, pelo que pedia-te que me fornecesses um e-mail de contacto teu. Podes responder para o e-mail de contacto do Caminho Largo. Obrigado.

    Cumprimentos,
    Jorge Teixeira
    Caminho Largo

    ResponderEliminar